segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

VIOLINO ROUCO


Você meu anjo torto,
parece violino desafinado e rouco,
porém inda belo e armônico.

Belo dos pés ao dorso,
magnífico deste, ao pescoço,
abrigo no mínimo do máximo encanto.

Reverberante da luz pura de beleza,
luz preenchedora de vãos possíveis,
não deixa espaço ao cauto,
desconexa da decência e moral.

Maestro da própria vida,
faz dos próprios olhos a baquete,
dos homens os músicos,
dos admiradores o público,
de mim a canção.

por: Don Palacio
:: :: :: :: :: :: :: :: ::

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

repente derepente


Peço licença poética
pra falar desabunitado.
Sobre uma moça famosa
d'um olhar arretado
que tem uns 'laibu' bonito
cor de corisco, atento pra todo lado.

Branquinha feito leite,
Bonita como a princesa,
O sorriso é tão Largo
Que afasta toda tristeza,
E o vento acaricia,
Seus cabelos todo dia,
Numa insesante agonia
De toca-la com sutileza.

As ideia dela é forte,
Mulher de grande esperteza,
Tem a ciência das palavras
Fala que nem realeza,
Mas é pessoa muito simples
Conversa com os pedinte
E da beijo na pobresa.

Gosto tantão dela
Que ela nem sabe o tamanho
Fico todinho nervoso
Feito nim de maribondo

Quando ela fala comigo
E diz "o meu amigo,
Se acalme que também te amo"

Por: Don 
Para: Cam. Feit. 
15-out-15

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Final de Semana



Foi de uma voracidade digna dos inexperientes, puritanos e castos, como se na primeira vez, não nos controlamos e decidimos que toda nossa vida resumisse ali naquele genésico momento, sem por vir nem ante vir, sequer esticamos os braços pra buscar o preservativo de tão bom, eu já com o gosto de seu sexo dela na minha boca, gozamos, gozei dentro dela, dali em diante fumei desajuizadamente, bebi o vinho inteiro na garrafa e sorria ululantemente sem palavras para ela.

Deixá-la sem olhar para trás é o melhor condimento deste prato qual saboreamos o final de semana inteiro.

por [Heitor]

terça-feira, 26 de agosto de 2014

EXISTIR



Hoje sentando em qualquer lugar, tendo como companhia apenas o respeito do silencio pude perceber quão volúvel pode ser nossa breve passagem por aqui. Surgir significa pra maioria a oportunidade de usar todo um potencial pra sustentar a biologicidade de um ser, somente. Nascer, crescer, se reproduzir, envelhecer e morrer.  Duas gerações depois ninguém saberá quem era você. Mas quem se importa com isso mesmo? 

POR: Don Palacio
DATA: Uma Qualquer

terça-feira, 8 de julho de 2014

EU SEM ELAS


De repente, quando me vi sem elas, sôfrego de uma incapacidade tenaz de sobrevivência, dilacerado por uma obliqua desmotivação vital, vislumbrei o Mar, este mesmo com "M" maiúsculo e tudo, me veio então, de dentro para fora sob uma força vômica a famigerada vontade de VIVER. Deve ser Deus, de alguma forma é Deus, ou padeceria instantaneamente procurando uma outra explicação qualquer.



Don Palacio
08/07/14
SLZ

quarta-feira, 2 de julho de 2014

UM NOVO ESTADO
















Em que estado encontra-se o Maranhão?
Largado, banido, exausto, falido?
Dispensado talvez, molestado quiçá.

Em que estado encontra-se o Maranhão?
Pros daqui invisível, pros de fora, intransponível.
Emasculado de suas possibilidades, extirpado da vitória.

Em que estado encontra-se o Maranhão?
Estado de sítio autocrático, de barões, ladrões e vilões?
Nem sei, quisera saber.

O estado do meu Maranhão é mísero, mas no íntimo,
inda possível vencer, sob novos olhares, novas visões,
outro entardecer.

Amo, irremediavelmente meu Maranhão,
e no próximo inverno, verão em que estado
encontrar-se-ão.

por: Don Palacio
4: Flávio Dino
02/07/2014


sexta-feira, 19 de julho de 2013

Gosto do Amor



Gosto do amor às pressas,
com data pra terminar,
gosto do amor as carreiras,
sem formalidades, sem cobranças, sem fronteiras
sem tempo pras coisas ruins e dispensáveis ao amor.

Gosto do amor teatral, ficcional,
amor passional, potencialmente passional,
gosto de amores que florescem à pele,
regadas ao suor do amor carnal,
florescidas da volúpia do ato.

Gosto de colher o melhor de cada amor,
dispensando os espinhos, guardando o valor,
sorrindo as escuras, negando o pudor,
gosto do amor amor.

Só não gosto dos padrões,
dos portões que guardam o desamor,
-onde estava, com quem foi?-
Prisão assim não é amor.

Não gosto do amor de assinaturas,
de cerimônias, de eternidades falsas,
gosto do amor de querer estar perto,
e quando não quero,
é por amor que desapego.

Gosto muito do amor, 
só não gosto de Parar.


-Don Palacio- 
19-jul-2013